VOCÊ SABIA DESSA ?

A mão humana tem 27 ossos e 35 músculos.

6 enigmas matemáticos sem resposta

Ah, a boa e velha matemática. Anfitriã oficial da frase “nunca vou usar isso na minha vida’, a mãe dos números também tem lá os seus mistérios. Inclusive, há prêmios pra quem conseguir resolvê-los – prêmios de até 1 milhão de dólares! Mas não se anime, afinal, se os caras que viveram disso não conseguiram, você provavelmente também não vai conseguir. Mas a gente nunca sabe, né? Sem mais delongas, conheça agora 6 desses enigmas sem resolução!

6. A Conjectura dos Números Primos Gêmeos

“Existem infinitos primos p de modo que p+2 também seja primo”. Essa é a frase que marca a tal Conjectura, uma teoria de números abertos que nunca foi resolvida. Primos gêmeos são dois números primos com uma diferença de 2 entre si – 5 e 7, 11 e 13, 29 e 31, etc. Será que dá pra identificar esses primos infinitamente? Difícil dizer, afinal, os dois maiores números primos gêmeos conhecidos têm 100.355 dígitos decimais.

5. O Problema de Collatz

Também conhecido como o problema do 3n+1, esse problema foi apresentado pelo matemático L. Collaz em 1937. Basicamente, pegue qualquer integral positiva n e, se ela for par, divida por 2 pra pegar n/2. Se n for ímpar, multiplique por 3 e adicione 1, definindo 3n+1. O problema é que independente dos números que você escolha, no fim das contas você acaba com 1, independente de quantas vezes você tenha que repetir o processo pra chegar lá. Por quê?

4. A Conjectura de Goldbach

Essa é bem fácil de entender: todo número par maior que 2 é a soma de 2 primos – por exemplo, 6 = 3 + 3, 8 = 3 + 5, etc. Mas e aí, quem tem a paciência e o cérebro pra lidar com números imensos e provar que isso é verdade?

3. A Conjectura de Kepler

Qual é o melhor jeito de empilhar esferas do mesmo tamanho? Essa pergunta foi feita inicialmente por Sir Walter Raleigh, e ainda confunde muita gente até hoje. Johannes Kepler, colega do assistente de Raleigh, concluiu que o melhor seria o jeito que os vendedores faziam nas feiras, em que cada esfera fica apoiada no “buraco” gerado pelas esferas do andar de baixo. Por mais bobo que isso soe, até hoje ninguém conseguiu que isso é verdade, mas também não conseguiram encontrar nenhuma forma melhor que essa.

2. P versus NP

Suponha que você esteja encarregado de definir onde vão morar 400 estudantes. O espaço é limitado, e só 100 deles vão poder ficar no campus – 2 por quarto. E para complicar as coisas, o Diretor te deu uma lista com pares de alunos incompatíveis, e pediu para que nenhum deles ficasse no mesmo lugar. Liste todas as possibilidades. Praticamente uma questão de vestibular, né? Por mais que pareça simples, o que você ainda não parou pra pensar é que o número de duplas diferentes que você pode fazer com 100 de 400 alunos excede o número de átomos no universo.

1. A Hipótese de Riemann

Experts dizem que a Hipótese de Riemann é o mais importante dos problemas matemáticos não resolvidos da atualidade. A conjectura lida com a distribuição de zeros em relação à função Riemann Zeta, uma teoria de números analíticos que seria capaz de produzir uma sequência numérica infinita. Essa fórmula é tão complexa que a grande maioria das pessoas nem chega a entendê-la, e, até hoje, nem supercomputadores foram capazes de resolvê-la.